domingo, 7 de outubro de 2012

Filme/Animação: Hotel Transilvaniana ("Sou o Drácula e blablabla")


Assisti ao trailer ontem e fui vê-lo. O plano inicial era ver "Resident Evil 5: Retribuição", mas a próxima exibição seria só às 22h30, muito tarde para quem ia acordar cedo no dia seguinte. Enfim acabei indo ver a animação "Hotel Transilvaniana", achando que poderia ser uma boa diversão. Cheio de piadinhas, clichês e trocadilhos infames (infantis é claro, mas eu rio de qualquer coisa): se dei risadas foi de muita babaquice, claro que eu esperava mais... Os personagens são rasos, o enredo é batido, sem falar que o filme embarca com tudo na "modinha" de sobrenatural que está rolando atualmente, apesar de fazer até piadinha com crepúsculo... Que saudades de Bram Stoker's Dracula!

 
  
Enredo: "Para cumprir a promessa feita à esposa antes dela morrer, o conde Drácula dedicou-se a construir um santuário que assegurasse a segurança de sua filha recém-nascida Mavis da ameaça da civilização, um lugar isolado e escondido bem além de uma floresta assombrada e de um cemitério de mortos vivos. Este local viria a se tornar refúgio de outros monstros e criaturas fantásticas cansados da incessante perseguição humana, como o Frankenstein e o Lobisomem, e ser convenientemente batizado de Hotel Transilvânia. E durante cerca de 118 anos, ele tem cumprido totalmente o seu propósito até o fatídico dia, nas vésperas do aniversário da filha do Drácula, em que recebe a visita inesperada de um viajante....HUMANO!"

Ok, resumindo:  Drácula, que no filme é bonzinho e não bebe sangue humano porque tem muito colesterol (essa até que foi boa), não é apenas o príncipe das trevas, mas também é um pai super-protetor de uma filha adolescente (Clichê, me até lembrou Valente em certos pontos)! Para proteger sua filha ele cria um refúgio contra os temíveis terríveis humanos: O Hotel Transilvânia. Nesse hotel os monstros tiram férias todos os anos e comemoram o aniversário de Mavis (filha do Drack)... Mas em seu aniversário de 118 anos tudo muda: a garota quer sua liberdade (banal surto rebelde adolescente: quando eu vou ter o meu? --'), ela quer ver o mundo... O paizão Drack forja uma aldeia de mentira com zumbis transvestidos em humanos para fazê-la crer que humanos são "maus", e ele consegue temporariamente .. Até que um humano (um mochileiro) viajante chega por acidente ou babaquisse mesmo no hotel e para ficar mais interessantes ele e Mavis tem o Châ!

Pera aí... O que é Châ? Châ [tradução capenga para "Zing" - olhar de amor verdadeiro ao algo do gênero] é o resumo de como a dublagem/tradução estava mal feita. Infelizmente filmes infantis não costumam ter versões legendadas e tem de ser adaptados para as mazelas de cada idioma. A adaptação brasileira foi um pecado regional. Como assim? Explico, para a versão BR escolheram conferir aos personagens sotaques regionais brasileiros, que acabam por ficarem forçados e piorarem a situação. Sem falar nas gírias adolescentes que não tem nada a ver no contexto...


Em contraponto o funcionamento do hotel, que foi pouco explorado, foi um ponto forte. Imagine você se hospedar num lugar onde bruxas são camareiras e a sauna é aquecida com o bafo de um dragão... Outra coisa que gostei foi a música (ignorando a tradução/dublagem porque né), o filme trouxe elementos de música eletrônica e de clássicos: o tal humano mochileiro da história fica por lá disfarçado de parente do braço direito do Frankenstein e apresenta a estes uma boa dose de diversão moderna conquistando a todos, foi no mínimo interessante. Algo a se ressaltar também é o intertexto com os outros filmes do Drácula: principalmente os em branco e preto, quem assistiu vai perceber que quando o Drack tenta hipnotizar alguém seus olhos ficam vermelhos iguais aos dos Dráculas Clássicos.

Os personagens secundários, não fazem nada mais do que simplesmente serem eles mesmos e fazerem piadinha disso. Contei uns 5 "ruins para cachorro" proferidos entre as mandíbulas do abatido papai lobisomem (abatido por ser pai de uma população de lobinhos bagunceiros que não o deixam dormir e etc - e com sua esposa grávida de + desses...), por exemplo. A obesidade da múmia foi até meio cômica e pobre do Frankenstein que foi reduzido a um monte de pedaços desconexo que insistem em se soltar por aí (+ uma noiva madame muito chata)... Até gremlins se hospedaram por lá! Se "Hotel Transilvânia  virasse um desenho alá "Mansão Foster para Amigos Imaginários" aí sim poderíamos entender a sacada de gênio que poderia ter sido esse filme. Se fosse um Tim Burton isso nunca teria acontecido e teríamos uma versão a altura dos grandes mostos com piadas excêntricas.


O filme prometeu muito por ser feito pelo criador de O Laboratório de Dexter e Meninas Super-Poderosas: Genndy Tartakovsky e seu produtor-executivo é nada mais nada menos que Adam Sandler (rei de "comédia" ou besteirol conservador americano). O dedo de Sandler está em toda parte, por exemplo "você fica pelada quando vira morcega?" ou "Seu zumbi, solta esse manequim, vai brincar de boneca?" ou até para o homem invisível : "se eu colocar minha mão na sua boca ela some?"... [nem falei de seu humor sujo a respeito de gases pélvicos e coisas do gênero]


Já Tartakovsky que costuma ter um humor mais inteligente e ácido, foi boicotado pela Sony Animation, mas com certeza as melhores partes do filme foram obra dele: zumbis operários (isso mesmo, há zumbis por toda parte fazendo os trabalhos "pesados", não posso parar de achar que foi uma crítica sutil...), há também zumbis que são grandes compositores de música clássica (foi uma ideia boa, Sandler não a teria) e que são encarregados da música do hotel. 

Me empolguei com a trama no flashback da história do Conde Drácula (obra do Tartakovsky), onde ele narra como e porque criou o "Hotel Transilvânia", mas foi momentâneo. Alguns críticos chegaram a dizer que se tirássemos os celebres monstros e colocássemos smurfs ou fadas daria na mesma: infelizmente tenho que concordar, porque a ideia foi quase que original, mas infelizmente sabe se lá Deus porque foi muito mal explorada.



Não assisti em 3D, entretanto parecê-me que não tinha necessidade de. A imagem foi muito bem feita e colorida lindamente com tons em alto contraste, mas não vi nada além dos vôos morcegônicos que merecessem tal tratamento. Apesar dos pesares, as crianças (o filme é direcionado a elas afinal das contas) do cinema se acabam de rir, só crianças mesmo para rirem das mesma piada dez vezes, eu ri nas primeiras três só. Nos States a bilheteria inicial foi boa, talvez, além por conta da promessa do enredo, em função também da dublagem da Selena Gomez [queridinha da Disney e Cia] e do próprio Adam Sandler as Drack e de seu produtor e diretor famosos... Enfim, Hotel Transilvaniana atingiu seus objetivos com seu público, mas (acima dos 10 anos) precisa-se de paciência infantil para assisti-lo ou talvez uma boa companhia: ou os dois!
Categories: , ,

2 comentários:

  1. Ameeeeei a indicação!! quero ver!!


    Aliás, você é do ABC, né? Lê o post que eu fiz no meu blog sobre o VISITABC, juro que vai amar!

    Bjo

    ResponderExcluir
  2. Obrigada Paola! Só não se esqueça da paciência infantil e da boa companhia, sério: Muitas risadas garantidas.
    Ok, vou lê-lo :D
    Ps: Podia me dar umas dicas de como deixar do design do blog tão lindo, adorei!

    ResponderExcluir